TEMOS

VAGAS – Programador JavaScript para Web Analytics

By | Marketing Digital | No Comments

Estamos com oportunidades de contratação na DP6, para Programador JavaScript, com nível Junior, Pleno e Sênior!

Se você possui experiência na área e ama o que faz, estamos procurando por você. Saiba mais sobre nossa vaga:

Principais Responsabilidades:

Irá atuar com implementação e configuração de plataformas de marketing digital como Google Analytics, Adobe Analytics, Optimizely, tag managers, entre outras, em projetos de métricas e medições em ambiente digital, incluindo sites, plataformas mobile, integrações com APIs e outros sistemas.

O desafio é planejar e implementar tecnicamente soluções de mensuração usando as principais plataformas de marketing digital do mercado em grandes marcas e portais, garantindo a qualidade dos dados a serem medidos, com interação direta com clientes, agências, produtoras web e desenvolvedores.

Pré-requisitos:

• Bom conhecimento em tecnologias web, programação JavaScript e HTML;
• Experiência com análise de métricas digitais ou com o mercado marketing digital;
• Graduado em curso superior ou experiência profissional equivalente;
• Boa comunicação oral e escrita;
• Inglês (leitura).

Diferenciais:

Graduação em tecnologia;
• Linguagens server-side como PHP ou Python;
• Experiência na utilização de ferramentas de Web Analytics ou de experiência do usuário;
• Inglês fluente.

Benefícios:

  • Vale Refeição ou Alimentação
  • Vale Transporte ou Combustível
  • Plano de Saúde de primeira linha
  • Seguro Odontológico
  • Seguro de Vida
  • Programa de Subsídios para cursos
  • Smartphone 


Interessados podem se inscrever pelo Linkedin ou enviar seu currículo para vagas@dp6.com.br.

Venha fazer parte do nosso time!

 

 

glenn-carstens-peters-203007

Maturidade de uso de dados em Marketing Digital, em que nível você está?

By | Blog | No Comments

Imagine esse cenário: você está tendo tonturas e decide visitar dois médicos para entender a razão do problema. O primeiro deles faz algumas perguntas e te examina, entregando ali mesmo um diagnóstico. Já o segundo médico, além do mesmo procedimento do médico anterior, solicita a você uma série de exames no laboratório para entender como estão seus índices de hormônios, gordura e glicose, além de exames neurológicos. Estudando esses resultados, ele te fornece um diagnóstico.

Estando nesta posição, em qual dos médicos você confiaria mais? Acredito que no que baseou seu diagnóstico em informações científicas, certo? Essa é a relevância dos dados em nossa vida. Seja para tratar doenças, escolher em qual escola estudar ou decidir se vale a pena manter o plano de TV por assinatura. Dados nos possibilitam decisões mais assertivas e otimizadas.

No universo corporativo de Marketing Digital não é diferente, a internet permite altos níveis de mensuração. Quando navegamos, pesquisamos e compartilhamos informações online,  deixando uma série de “rastros”. Com as tecnologias corretas e conhecimento, é possível medir e analisar os mesmos. Esses dados fornecem às empresas insights relevantes de como o usuário se comporta em seus canais e se relaciona com a sua marca. E mais que isso, oportunidades de melhoria na experiência do público. Consumidor mais engajado, mais vendas e maior lembrança de marca.

Parece simples, não é? Mas, de acordo com um estudo realizado pelo Google, apenas 5 em 10 profissionais de marketing pensam na mensuração enquanto estão desenvolvendo uma estratégia de campanha. E que 61% dos decisores ainda reclamam da grandeza do esforço demandado quando solicitam dados para tomar alguma decisão. O que significa que parte do nosso mercado ainda precisa lidar com HiPPO (Highest Paid Person’s Opinion).

O cenário de tecnologias de Marketing Digital é complexo e grande parte das empresas acabam se perdendo no momento de priorizar e alocar recursos.

marketing_technology_landscape_2016_3000px

Marketing Technology Landscape Supergraphic (2016)

É neste momento que consultorias de Marketing Digital, como a DP6, atuam. Elas traçam um diagnóstico e sugerem caminhos e recursos necessários para que as empresas possam evoluir seu nível de Maturidade Digital, direcionando esforços de acordo com os objetivos de negócio. Não existe fórmula mágica, esse avanço é possibilitado através de melhorias no mix: dados, talentos, tecnologias, processos e serviços.

Tecnologias não funcionam sozinhas, precisam de serviços, de um time qualificado e especializado, com processos bem definidos e fluxos para coleta e distribuição de dados.

Para profissionais que querem começar a levar a cultura data-driven para sua empresa ou até mesmo para aqueles que não sabem qual o próximo passo, recomendamos a evolução de acordo com Curva de Maturidade abaixo:

maturidade-digital

Arquivo DP6

  1. Coleta de dados: Medição do desempenho dos canais, monitoramento, captura e coleta de dados para uso em marketing e negócios.
  • Nível Básico: Ferramenta de Analytics gratuita, implementada de forma simples no website/app. Ferramenta de medição de mídia simples, sem integração com analytics.
  • Nível Intermediário: Ferramenta de Analytics enterprise (sem amostra nos relatórios) coletando métricas pré definidas, a partir dos objetivos de negócio da companhia. Tag manager implementado com Camada de Dados. Campanhas digitais corretamente parametrizadas, sendo medidas pelas ferramentas de mídia e também pela ferramenta de Analytics.
  • Nível Avançado: Ferramenta de Analytics mensurando informações de todas as propriedades e canais (web, mídia, mobile web, apps, etc.), com métricas em tempo real. Importação e exportação de dados para enriquecimento das métricas de Analytics com outros sistemas. Auditoria de dados automatizada, garantindo qualidade constante na coleta de dados. Compartilhamento constante de dados entre múltiplas áreas e decisores.

2. Integração de Dados: Conexão e correspondência de dados de marketing com outras áreas dentro da empresa, para uma visão completa do negócio.

  • Nível Básico: Integração dados de canais online, como mídia e email marketing, na ferramenta de Analytics.
  • Nível Intermediário: Bases de dados internas funcionando de forma integrada para enriquecimento de dados do consumidor para ativação e segmentação de campanhas.
  • Nível Avançado: Ecossistema interno de dados (Data Warehouse) robusto e avançado, integrando múltiplas fonte dados 1st, 2nd e 3rd party, On e Offline,  como CRM, Analytics, Vendas, sistemas internos, através de processos automatizados.  

3. Inteligência e Análise: Aplicação de processos de organização, descoberta e extração de conhecimento a partir dos dados coletados e integrados, para geração de valor para o negócio através de otimizações e suporte à decisão.

  • Nível Básico: Uso de dados de web analytics e de campanhas em análises simples e manuais. Reports de números, sem análise qualitativa. Conversão de mídia sendo atribuída ao último clique.
  • Nível Intermediário: Uso de dados integrados de plataformas de Analytics, Mídia, etc. e outras bases de dados. Descoberta de insights e realização de análises qualitativas. Automatização de reports. Utilização de Dashboards personalizados com indicadores de negócios para visualização de dados. Campanhas de mídia integradas e analisadas através de modelos de atribuição multicanal. Visão completa desde o investimento em publicidade até o faturamento em vendas.
  • Nível Avançado: Uso de modelo estatísticos avançados e modelos preditivos. Ingestão e tratamentos de dados de maneira automatizada entre múltiplas bases. Visualização e exploração avançada de dados. Frente de Data Science sendo evoluída. Contratação de uma plataforma de Atribuição Algorítmica, com dados On e Offline sendo integrados e utilizados para otimização do portfólio de mídia, de maneira programática. Uso integrado de marketing mix modelling e atribuição e guiando o planejamento de todos os esforços de marketing.

4. Ativação e Otimização: Automação da experiência do consumidor através de dados aplicados na gestão de mídia, conteúdo e contexto.

  • Nível Básico: Realização de testes esporádicos em campanhas e elementos visuais. Utilização de um promovedor de dados (3rd-Party) como agregador de audiências, para segmentação de campanhas.  
  • Nível Intermediário: Rotina de testes através do uso de ferramentas de Testes A/B e Personalização de Conteúdo, acima da camada do gerenciador de conteúdo, com significância estatística. Integração desta com Analytics para utilização de audiências e criação de testes a partir de variáveis comportamentais. Impacto dos testes sendo analisados com objetivos de negócio. Contratação e implementação de uma ferramenta de gestão e ativação de audiências, DMP (Data Management Platform), enterprise, para criação de segmentos de audiência e compra de mídia de maneira mais inteligente.
  • Nível Avançado: Cultura de Testes estruturada, com testes sendo realizados em todos os ambientes (website, mobile web, apps) e a cada lançamento e mudança de produto ou página. Integração desta com DMP e Analytics para criação de segmentos específicos. Personalização do conteúdo a partir da jornada do consumidor. Integração de fontes de dados On e Offline na DMP para enriquecimento de dados de audiência e posterior e ativação em  mídia, conteúdo e e-mail marketing. Realização de parcerias para troca de dados e comercialização de dados proprietários em Marketplace de dados.

A promessa de um retorno maior de investimento, inovação no modelo de negócio e vantagem competitiva, tem colocado Curvas de Maturidade na pauta das agendas de muito executivos.

Elas são, na realidade, uma grande oportunidade e desafio para as companhias, sendo utilizadas como ferramenta de encorajamento e planejamento de metas estratégicas, para que sejam definidos objetivos a curto e longo prazo de melhorias e otimizações.

Além disso, os esforços em prol do avanço da maturidade não devem ser vistos como um único projeto, mas sim como uma série de iniciativas que, quando executadas em conjunto por todos, aumenta gradualmente a maturidade geral de dados da companhia.

Porém, engana-se quem acredita que uso efetivo de dados é um investimento apenas em tecnologia. Na DP6 acreditamos que essa transformação é gerada através do investimento na tríade: tecnologias, pessoas e processos. Escolher as ferramentas corretas, de acordo com as necessidades da companhia, é o primeiro passo. No entanto nenhuma tecnologia por si só traz resultados. É por isso que  sempre reforçamos a importância da capacitação das equipes dos clientes, que são componentes chave, não só para fornecer um alto nível de uso e valor das tecnologias adquiridas, quanto para tornar possível o processo de transformação das culturas corporativas e o avanço no nível de maturidade de dados.

Que tal começar promovendo essa mudança na sua empresa?

analytics_cover

Métricas relevantes para mensurar campanhas de branding

By | Blog | No Comments

De maneira geral, campanhas de marketing são medidas através de vendas e conversões, métricas consideradas mais comuns e fáceis de mensurar. Entretanto, e se (ou quando) uma marca tiver como principais objetivos melhorar seu reconhecimento, fortalecer seu posicionamento e aumentar sua visibilidade? Como faríamos para medir isso?

Campanhas de branding são realizadas quando as marcas possuem intenções que parecem mais subjetivas, como se conectar com o consumidor de uma maneira que sejam criados laços entre ambas as partes e, então, ele seja capaz de, mais do que conhecer e reconhecer a marca, criar um sentimento positivo por ela.

Por se tratar de questões bastante sensoriais, muitas vezes é difícil medir a eficácia de uma campanha de branding. Entretanto, mensurar esses resultados é algo fundamental, afinal, dados quantificados viabilizam um monitoramento mais preciso das ações executadas e a tomada de decisões baseada em dados.

Em primeiro lugar, é essencial que você tenha bem definido qual é o principal objetivo da sua campanha. Ou seja, faça essa pergunta a si mesmo: “por que estou fazendo esta campanha de branding?”. É muito importante que, antes de idealizá-la, esteja bem claro onde você deseja chegar com ela e o que espera que ela traga para sua marca.

Depois de colocá-la em prática, você pode começar a medir os resultados selecionando as métricas mais apropriadas ao seu objetivo.

See-Think-Do-Care

Para auxiliar a compreensão desse objetivo, é bastante relevante falarmos sobre a metodologia See-Think-Do-Care.

Essa metodologia propõe que, nas campanhas de marketing, existem 4 clusters de audiência com diferentes intenções, e nós, como profissionais da área, devemos garantir a resolução dessas intenções para cada um deles.
p01

Fonte: www.kaushik.net/avinash/see-think-do-care-win-content-marketing-measurement/

  • See (Consciência) diz respeito à maior audiência qualificada possível. Por exemplo, pessoas que usam smartphones.
  • Think (Consideração) é a maior audiência qualificada possível com alguma intenção de compra. Por exemplo, pessoas que usam smartphones e acreditam que devam trocar de smartphone em algum momento.
  • Do (Comprar) traz a maior audiência qualificada possível com muita intenção de compra. Por exemplo, pessoas que usam smartphones e estão querendo trocar de aparelho agora. Essa é a audiência mais desejável.
  • Care (Fidelização) são seus consumidores fiéis, ou seja, aqueles consumidores que compraram mais de duas vezes da sua empresa. Por exemplo, pessoas que usam smartphones e já compraram mais de um aparelho de uma mesma marca.

Para branding, três dos quatro clusters apresentados são muito relevantes: See (criar consciência de uma marca); Think (considerar uma marca); Care (ser fiel a uma marca). O Do está mais conectado à ação de compra e, por isso, não possui tanta relação com branding como os outros grupos.

Sendo assim, com base nesses três clusters diferentes, selecionamos algumas métricas importantes para mensurar branding em cada um deles:

See

Uma das métricas utilizadas para medir o conhecimento da marca é a porcentagem de novos visitantes no seu site. Para mensurá-la, você deve, primeiro, medir o número de visitantes no seu site antes da campanha; depois, avaliar durante a campanha. Verifique se houve aumento no tráfego e se os usuários identificados eram visitantes já existentes ou visitantes novos.

Além disso, também é possível utilizar o Brand Lift, que consiste em estudar dois grupos de usuários: os que foram expostos à publicidade de uma marca e os que não foram. Os dados obtidos são comparados e representam quanto reconhecimento as ações de marketing proporcionaram a uma determinada marca.

O aumento do número de novos visitantes, associado a outros KPI’s, como o próprio Brand Lift, pode indicar que sua campanha de branding está sendo eficaz.

Think

Para mensurar a consideração de marca, ou seja, quanto os consumidores estão considerando comprar de uma marca específica, uma boa métrica seria a quantidade de buscas pela marca feitas pelos usuários, que pode ser medida, por exemplo, através do Google Analytics, no caso de busca paga. O Google Trends também é uma boa ferramenta, trazendo a tendência de busca do termo desejado em um determinado período.

Medir o volume de buscas e quais os termos mais buscados antes, durante e depois das ações de branding pode trazer resultados bastante importantes sobre o desempenho da campanha.

Outro fator que pode ser utilizado para obter informações sobre a consideração é a inserção de recursos de customização de produtos no site da marca. Dessa forma, quando um usuário cria um produto personalizado no site, é possível deduzir que ele possui muito interesse por aquele produto específico, daquela marca. Por isso é bem importante medir a quantidade de customizações antes, durante e depois de uma campanha de branding.

Care

Para mensurar campanhas cujo principal objetivo seja conquistar clientes fiéis à marca, é importante mensurar a lealdade do visitante. Para isso, pode-se medir a frequência com que os visitantes acessam o site durante um período de tempo. Para isso, deve-se acompanhar o número de visitas e frequência de cada usuário antes e durante a campanha. Por exemplo, você mede e constata que, antes da campanha, 70% dos usuários visitaram o site apenas uma vez, e, quando a campanha estava em execução, 60% fizeram o mesmo. Isso significa que 10% dos usuários visitaram mais de uma vez, ou seja, 10% foram impactados o suficiente para visitar o seu site e, em seguida, fazê-lo mais vezes.

É interessante acompanhar essa métrica após o período da campanha também, para verificar se a lealdade dos visitantes aumentou apenas em um período específico, ou se se estabilizou mesmo após o término da campanha.

Também existem outras formas de entender a lealdade do consumidor, como, por exemplo, acompanhar as avaliações de marca feitas pelos usuários (verificar quais são os clientes que fazem reviews, respondem pesquisas e avaliam sua marca nas redes sociais, no próprio site, e em pesquisas enviadas por e-mail) e/ou utilizar uma classificação de clientes, que pode ser feita através da frequência de compra, ticket médio, prazo de pagamento dos clientes, dentre outros.

Dessa forma, podemos concluir que medir campanhas de branding é, de fato, algo muito importante e, ao contrário do que parece, totalmente acessível. Ao selecionar métricas eficientes que estejam alinhadas ao seu objetivo, você será capaz de mensurar a eficiência de suas ações.  Além disso, é interessante identificar com qual desses três clusters sua campanha está falando: See, Think ou Care, pois assim fica mais fácil pensar nos objetivos principais dela e, consequentemente, nas métricas mais adequadas para mensurá-la corretamente.

Obrigada por ler até aqui. Até mais! 🙂

GA360Suite

Atualização do GA360: Dados para real time a cada 10 minutos!

By | News | No Comments

Agora é possível, para os usuários do Google Analytics 360, monitorar e agir rapidamente, com uma disponibilidade de dados com a recência de até 10 minutos. Isso potencializa o tempo de reação a eventos ao longo do dia, não sendo mais necessário a espera de 4 horas para entender o que aconteceu.

Algumas aplicações possíveis com a novidade são:

Publicação de um Novo Artigo

Com a disponibilidade dos dados em tempo real é possível entender como sua audiência está reagindo e se engajando pouco tempo após uma publicação, sendo possível, assim, fazer melhorias no conteúdo e palavras-chave.

Liquidação no Varejo online

Em grandes promoções, como por exemplo Black Friday, pode ser interessante monitorar todo instante de interação do usuário com o e-commerce. Com uma grande movimentação no site, é possível ter dados o suficiente em pouco tempo para ter bons insights, inferir tendências e aplicar melhorias rapidamente.

Anomalias

Qualquer comportamento estranho dos dados pode ser investigado rapidamente. Uma queda brusca no número de checkouts ou de geração de leads ou um aumento significativo na taxa de rejeição pode ser um indício de má experiência do usuário no site.

Reforma do Site

Se há alguma alteração na navegabilidade ou mesmo no visual do seu site, com a nova funcionalidade de tempo real é possível ter insights sobre a experiência dos usuários logo após a alteração. Além disso, este é um bom recurso para avaliar se os objetivos esperados com a alteração estão sendo alcançados.

Update de versão de Aplicativo

Com a atualização automática das versões de aplicativo, qualquer update problemático pode ser rapidamente identificado para se voltar à versão anterior enquanto se arruma a nova. Tudo isso sem grandes problemas à experiência do usuário

Artigo original no blog da Tatvic
Notícia oficial da atualização no blog oficial do Google Analytics Solutions