Pages Menu
Categories Menu

Posted by on Jan 13, 2014 in Marketing Digital

Universal Analytics: A evolução do Google Analytics

Google Analytics Universal Analytics

Depois de 7 anos servindo Google Analytics para quase metade dos sites no mundo (Veja o share de analytics & tracking entre os top million sites no Built With), o cenário mudou. A tradicional medição de usuários e sites baseada em scripts que se restringiam a medir as páginas, cliques e campanhas do nosso mundo digital ficou limitada demais para os negócios atuais. E vem aí uma evolução do Google Analytics: o Universal Analytics.

Cross-Device Analytics

Hoje, multiplicam-se os devices/dispositivos que as pessoas usam para se manterem conectadas e consumirem conteúdo e publicidade, tablets, relógios, celulares, óculos de realidade aumentada e outros dispositivos mais ou menos bizarros que parecem ter saído de um filme de ficção científica. Logo aí, o tradicional analytics não se encaixava. O conteúdo ou serviço não dependia de página, mas de telas, e às vezes de interações automáticas, de comandos de voz ou outra interatividade mais avançada. Então, a coleta de dados já precisava de um avanço para conseguir estar presente no nosso admirável novo dia-a-dia.

Cross-Channel Analytics

Além disso, a publicidade e o marketing se transformaram numa disciplina hoje que mistura ciências sociais, negócios e muita tecnologia. São muitos os canais de contato entre as empresas e seus consumidores. Digital ou não, cada canal tem uma necessidade de medição ou acompanhamento e o mais complexo (e necessário para os negócios) é entender o ciclo de decisão do consumidor e como é a jornada ou como são os caminhos das pessoas entre os canais. O entendimento do “cross-channel” exige que integremos os dados dos canais digitais com os canais não digitais e com bases de dados de relacionamento. Afinal, ao ser atendido no website, o usuário pode ser melhor recebido se todo seu histórico como cliente ajudar a personalizar a comunicação. Ou então, ao ser avaliado pela central de relacionamento, o usuário pode ser melhor atendido se a equipe tiver mais informações sobre seu comportamento no website, nos aplicativos e nas campanhas dos últimos meses. Insights, Personalização e Automação são necessidades latentes dos negócios modernos e as métricas e o Analytics tem papel central nisso tudo.

Para continuar relevante e ser uma ferramenta importante para esse cenário atual, a equipe do Google trabalhou na re-criação da sua plataforma de analytics e lançou o Universal Analytics. Com esse nome, não fica difícil entender a pretensão: Ser a plataforma de análise para qualquer tipo de dado de negócio. Algumas coisas mudam tecnicamente e outras em como pensar as suas análises. Mas veja o que você ganha com isso:

Por que evoluir o seu Google Analytics com Universal Analytics?

  • Um código mais otimizado e flexível (analytics.js) para medir o que você precisa no seu site (com Javascript) ou aplicativo (com os SDKs iOS e Android)
  • Um protocolo de medição inteiramente novo e acessível para você medir qualquer outra coisa do seu negócio. Pode ser uma integração de dados de campanha, pode ser uma medição de Google Glass, pode ser uma medição de movimentos do Kinect, uma medição de uso de totens de atendimento, de sensores de temperatura, enfim, do que você quiser.
  • Configurações e personalizações mais acessíveis. Como a plataforma foi reconstruída do início, toda a experiência dos últimos 7 anos foi aplicada para tornar o modelo de dados mais poderoso e trabalho dos analistas mais fácil, permitindo customizações e operações com as informações direto da interface.
  • Dimensões e métricas personalizadas. Além dos dados das páginas e campanhas, é essencial integrar mais dados do usuário, da pessoa e do negócio. Informações do CRM, sua demografia, seus histórico de consumo ou seu perfil/cluster. Com o Universal Analytics, é possível criar 20 dimensões e mais 20 métricas extras para usar o analytics com mais dados (com o GA Premium, o limite sobre para 200 dimensões e 200 métricas). O limite da versão atual era de 5 variáveis personalizadas e com aplicações mais restritas.

O que você precisa para evoluir?

O primeiro passo é avaliar a migração técnica e a conversão da conta. O Google tem trabalhado em ferramentas para auxiliar nesse processo de migração. Reúna seus programadores, consultores e especialistas nesse momento pois é uma etapa crítica para isso. Se você está construindo sites, aplicativos e outras iniciativas do zero agora, comece já na nova plataforma. Vale a pena!

Em seguida, é necessário planejar as novas necessidades, novos usos e aplicações que o Universal Analytics pode trazer. Aí podemos projetar uma camada de dados completa com dimensões, métricas e informações que fazem sentido para o negócio e permitem tomar mais decisões e mais eficientemente. Precisamos e podemos evoluir o nosso dia-a-dia focado em visitas, para focar em pessoas e seus históricos. Colocando Analytics no centro do negócio, do relacionamento e do resultado.

Compensa?

Levar métricas digitais e o Analytics para outro patamar e torná-lo uma das peças centrais de uma cultura de negócios e decisões baseada em dados sempre compensará. E o Universal Analytics é chave para quem adotou a plataforma do Google no seu dia-a-dia.

Se precisar de ajuda em seus projetos de Google Analytics, Universal Analytics ou em outras plataformas de inteligência, entre em contato e conte com a DP6!

Boas análises!

Leonardo Naressi

"Se não existe, inventa" Área: Inovação e Pessoas Local: São Paulo Especialidade: Criar coisas que servem para alguma coisa

3 Comments

  1. Ótimo artigo Leonardo.

    Sobre esse assubnto, acho que vale alertar quem utiliza listas de remarketing no GA que elas ainda não funcionam no Universal Analytics. Portanto, é preciso planejar e avaliar bem esse ponto antes da migração.

    Abraços e parabéns pelo blog.

  2. Muito boa essa inovação ainda tem muito mas por vim parabéns pelo blog!

Post a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>